Transportepress.com
Portal de notícias sobre transporte.

Frota da Confenar consome R$ 210 milhões em diesel e R$ 12 milhões em pneus

“A manutenção preventiva tem impacto direto nos custos da empresa, tanto no dia a dia da operação como também no valor do veículo quando este é revendido. Nesse sentido, atitudes simples, como o alinhamento e o balanceamento das rodas e a utilização da pressão correta nos pneus, podem representar ganhos importantes”, aponta a Confenar.

A Confederação Nacional das Revendas Ambev e das Empresas de Logística da Distribuição (Confenar) chama a atenção de frotistas, transportadores e caminhoneiros autônomos para a necessidade de manter em dia a manutenção e a revisão de veículos, como forma de garantir não apenas a segurança e a longevidade dos caminhões, mas  e a redução do consumo de combustível, melhor desempenho e durabilidade de partes e peças para o seu funcionamento.

Apenas em combustível são gastos R$ 210 milhões por ano, sendo outros R$ 15 milhões em autopeças e R$ 12 milhões em pneus.

“Por serem veículos de carga e, portanto, muito exigidos, necessitam de cuidados redobrados na rotina de operação, como passo essencial para evitar quebras, acidentes e, consequentemente, prejuízos”, destaca a confederação em nota.

“A manutenção preventiva tem impacto direto nos custos da empresa, tanto no dia a dia da operação como também no valor do veículo quando este é revendido. Nesse sentido, atitudes simples, como o alinhamento e o balanceamento das rodas e a utilização da pressão correta nos pneus, podem representar ganhos importantes”, aponta a Confenar.

A confederação reúne 142 revendas afiliadas (que faturam mais de R$ 12,2 bilhões ao ano) e mais de mil empresários ligados à atividade. Gera 23 mil empregos diretos e cerca de 70 mil indiretos gerados; atende cerca de 1 milhão de pontos de venda em todo o País.

Ao todo, a frota de distribuição contabiliza 13.430 veículos, dos quais 8.200 são caminhões, 2.500 caminhões de puxada (transferência de produtos da fábrica para a Revenda), 4.300 caminhões de entrega, 1.400 caminhões terceirizados, 2.000 motos, 2.600 automóveis/utilitários, 2.300 veículos leves e 630 empilhadeiras.

O consumo anual em combustível e lubrificantes chega a R$ 210 milhões, sendo outros R$ 12 milhões em pneus; R$ 15 milhões em autopeças; R$ 4 milhões em uniformes; R$ 30 milhões em seguros e R$ 3 milhões em treinamento.

Destaques
error: Conteúdo protegido.
%d blogueiros gostam disto: