Transportepress.com
Portal de notícias sobre transporte.

ARTIGO: Como economizar fazendo o uso correto dos pneus de carga

Alguns hábitos praticados pelos transportadores, geralmente para economizar tempo, podem comprometer o desempenho dos pneus. Por isso, ficar atento aos cuidados com a manutenção pode ajudá-los. Saiba o que é certo e o que é errado e prolongue a vida útil dos pneus.

Por Marcos Aoki*

R268.1Os pneus estão entre os cinco primeiros colocados na planilha de custos das transportadoras. Eles representam um alto investimento, dada a grande quantidade que normalmente equipa um veículo de carga (de 6 a 26 pneus). Por isso, conseguir transformá-los em item de economia é fundamental. Mas você sabe como pode aumentar a vida útil dos seus pneus e obter o melhor desempenho dos veículos? 

Alguns hábitos praticados pelos transportadores, geralmente para economizar tempo, podem comprometer o desempenho dos pneus. Por isso, ficar atento aos cuidados com a manutenção pode ajudá-los. Saiba o que é certo e o que é errado e prolongue a vida útil dos pneus.

Uma prática comum, porém equivocada, é com relação ao alinhamento. Geralmente, os transportadores só alinham as rodas dianteiras, quando deveriam assegurar o correto alinhamento de todos os eixos e rodas ao menos a cada 20 mil km. O desalinhamento afeta a dirigibilidade e provoca o arraste contínuo dos pneus, fazendo com que o desgaste seja acelerado, reduzindo a quilometragem em até 25%.

Outro item importante e muitas vezes ignorado pela maioria dos usuários é o balanceamento. A falta de correção deste item pode reduzir em até 20% a quilometragem de um pneu. Um conjunto desbalanceado produz oscilações e vibrações, resultando em esforços e fadiga de componentes mecânicos, como amortecedores, rolamentos e terminais de direção, gerando aumento do custo de manutenção, além de submeter os pneus a um desgaste irregular localizado devido à diferença de massa.

Vamos abordar a calibragem. Em razão da grande quantidade de pneus e da dificuldade de acessar a válvula de ar deles, alguns profissionais deixam de realizar a verificação da calibragem com a periodicidade necessária, que seria ao menos uma vez por semana. Resultado: perda de até 25% na quilometragem.

A pressão acima da recomendada provoca o desgaste acelerado do centro da banda de rodagem e pode gerar dano à carcaça quando for necessário utilizar sua função de “amortecedor”, enquanto que abaixo provoca o desgaste acelerado das extremidades da banda de rodagem e também pode gerar superaquecimento da carcaça, diminuindo seu índice de recapabilidade. 

É preciso também levar em consideração que existem diferentes desenhos de banda de rodagem e a escolha incorreta pode reduzir a quilometragem em até 40%. Cada posição de rodagem tem uma função específica: os pneus dianteiros conduzem o veículo, favorecendo as curvas e manobras; os pneus de tração transmitem a força e potência do motor; já os pneus de eixos livres, do truck e da carreta, minimizam o arraste durante as manobras.

Rodar na cidade com um pneu destinado ao uso na terra (fora de estrada) também provoca perdas no consumo de combustível, na estabilidade e na durabilidade das peças do veículo. Portanto, é fundamental utilizar o pneu indicado para cada tipo de aplicação.

O sobrepeso é outro fator que compromete a estrutura e o desempenho dos pneus, da suspensão e dos freios, além de provocar aumento do consumo de combustível e prejudicar as estradas. Muitos motoristas pensam que transportar excesso de carga pode otimizar o tempo das entregas e gerar economia. Porém, o excesso de peso acarreta maior aquecimento dos pneumáticos e fadiga prematura das carcaças, diminuindo seu rendimento.

Quanto à economia, transportar carga em excesso acarreta aumento no consumo de combustível e aumenta o risco de acidentes. Além disso, reduz a velocidade do caminhão, o que resulta em maior tempo de viagem.

Fique atento também ao emparelhamento dos pneus. Procure manter a montagem no eixo dos pares perfeitos, ou seja, pneus da mesma marca modelo, desenho, calibragem, ciclo de vida (novo com novo, reformado com reformado) e etc. Isto evitará que pneus diferentes trabalhem juntos, “sobrecarregando” um pneu e “lixando” o parceiro. Um controle inadequado do emparelhamento pode acarretar em redução de até 25% da quilometragem.

Quem realiza periodicamente o rodízio dos pneus está no caminho certo! Este revezamento, que consiste na inversão de posições, evita o desgaste irregular, fazendo com que ele aconteça de maneira mais uniforme, o que prolonga a vida útil dos pneus. 

Vale destacar ainda que os cuidados com os pneus vão além do que aplicamos diretamente a eles. A manutenção preventiva de todo o veículo é extremamente importante para o bom funcionamento do conjunto e, desta maneira, os pneus desgastam de maneira regular e mais lenta. Com isso, a carcaça também é preservada, o que garante um melhor índice de recapagem. 

E para finalizar, mantenha os pneus distantes dos derivados de petróleo ou solventes. Estes produtos atacam a borracha, fazendo com que ela perca suas propriedades físico-químicas e mecânicas, reduzindo a vida útil.

Por Marcos Aoki é diretor comercial da Bridgestone Bandag

Destaques
error: Conteúdo protegido.
%d blogueiros gostam disto: